Conecte-se conosco

Paraná

Defesa Civil orienta para possível situação de emergência por causa da dengue no Paraná

Alô Paraná

Publicado:

em

A Defesa Civil realizou nesta quarta-feira (22) videoconferência sobre a instalação de gabinetes de crise e decretação de situação de emergência para representantes de municípios de todas as regiões do Paraná. Foi na sede da Secretaria da Saúde do Paraná, como parte das ações do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue.

As informações foram transmitidas para as 22 Regionais Estaduais de Saúde, que convidaram gestores municipais, representantes de órgãos públicos e da sociedade civil para participar do evento. “Diante da situação de epidemia de dengue, com 7.618 casos confirmados da doença neste período, os gestores devem estar preparados sobre como e quando decretar situação de emergência. Caso a situação fique ainda mais grave, os gestores devem estar informados para enfrentarem o problema de forma organizada”, explica o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

O coordenador estadual da Defesa Civil, coronel do Corpo de Bombeiros Samuel Prestes, informou que existem normas e protocolos indicados pela Secretaria de Defesa Nacional, e que se os pedidos ocorrerem deverão ser avaliados diante do número de casos confirmados e da evolução da situação de emergência.

“Existe um rol de documentos e de providências que devem ser tomadas para que o recurso de decretação de situação de emergência possa chegar. É preciso comprovar que os municípios extrapolaram sua capacidade de resposta diante do problema. Então é muito importante que os gestores conheçam as formas legais e legislativas para que não haja questionamento posterior junto a tribunais de contas”, disse o coordenador.

DECRETO – O decreto de situação de emergência deve ser assinado pelo governador, reconhecido pelo governo federal, e tem a duração de 180 dias. “A partir da oficialização deste documento, os municípios têm direito a recursos, diante das esferas governamentais, que podem ser carreados com mais facilidade para o enfrentamento da situação. São parâmetros parecidos para todos os tipos de situações, como desastres naturais, calamidades, enchentes, vendavais, inundações”, informou o coronel Prestes.

A coordenadora de Vigilância Ambiental da secretaria estadual, Ivana Belmonte, reforçou que a situação de cada município do Estado está sendo acompanhada pelas Regionais de Saúde e que se os pedidos de decreto chegarem até o Governo Estadual serão rigorosamente avaliados. “A incidência epidêmica não é fator determinante para este tipo de decreto. Devem ser avaliadas todas as possibilidades assistenciais de cada cidade”, complementou.

Litoral

Litoral do PR terá shows de Alexandre Pires e Eduardo Costa nesta sexta

Alô Paraná

Publicados

em


A mistura de ritmos de Alexandre Pires e as modas sertanejas apaixonadas de Eduardo Costa encerram a programação musical do Palco Verão Maior, nesta sexta-feira (24). Os shows são gratuitos e fazem parte da programação cultural promovida pelo Governo do Estado em parceria com a Renault do Brasil.

Alexandre Pires, ex-líder do Só Pra Contrariar, comanda o palco em Matinhos e vai cantar para cerca de 20 mil pessoas. O show se chama O Baile do Nêgo Véio e reúne hits próprios e de bandas de pagode e samba dos anos 1990 como Domingo, Adoro Amar Você e Marrom Bombom.

Eduardo Costa encerra a programação de Guaratuba com sucessos da carreira como Olha Ela Aí, Coração Pirata e Sapequinha. A arena da cidade tem capacidade para 8 mil pessoas. O cantor mineiro chega ao Litoral depois de gravar um show para o seu quinto DVD, nesta quinta-feira (23), em Curitiba.

As pulseirinhas para o show em Guaratuba já estão esgotadas. Para o show de Matinhos ainda há distribuição em pontos específicos da praia. Os ingressos deverão ser trocados com antecedência nos postos autorizados. Serão restringidas duas entradas por CPF.

SEGURANÇA – A Polícia Civil estará presente no Parque de Eventos, em Guaratuba, com uma delegacia móvel. Os policiais trabalharão durante todo o show para registrar boletins de ocorrência, flagrantes e prestar auxílio à população. A Polícia Militar estará presente nos dois shows com módulos móveis, viaturas e motocicletas.

PALCO VERÃO MAIOR – A programação cultural de janeiro nas praias do Paraná contou com shows de Jerry Smith, César Menotti e Fabiano, Michel Teló, Pedro Paulo e Alex, e Edson e Hudson. Mais de 80 mil pessoas frequentaram os palcos nas últimas três sextas-feiras.

VERÃO MAIOR – O Verão Maior é uma ação integrada do Governo do Estado em parceria com os municípios do Litoral, das praias de água doce no Noroeste e Oeste do Paraná. Na região de Porto Rico e na Costa Oeste (municípios lindeiros) também são desenvolvidas ações do projeto. Serão, ao todo, 74 dias de atividades esportivas, culturais e de cidadania.

Programação de Matinhos

24/01 (sexta-feira) – Alexandre Pires

Local do show: Centro de Eventos da Rotatória de Matinhos – Av. Paranaguá com a Av. Brasil.

Pontos de entrega de ingressos:

Casa da Cultura (Rua Albano Müller, 111)

Ginásio Vicente Gurski (Avenida JK de Oliveira)

Centro de Eventos Rotatória (Av. Paranaguá com a Av. Brasil)

Balneário Gaivotas (quadra de esportes – Av. Paranaguá esquina com a rua Padre Osvaldo Gomes)

Programação de Guaratuba

24/01 (sexta-feira) – Eduardo Costa

Local do show: Parque de Eventos de Guaratuba – Rua Antonio Rocha N° 480

Continue lendo

Paraná

Casos de dengue aumentam quase 5.000% em relação ao ano passado no Paraná

Alô Paraná

Publicados

em


O boletim semanal divulgado nesta terça-feira (21) pela Secretaria de Estado da Saúde registra 7.618 casos confirmados de dengue no Paraná – 1.550 a mais do que na publicação anterior (6.068 casos), um aumento de 25,54%. Os números referem-se ao acumulado desde agosto de 2019. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento chega a 4.846%. Foram 154 confirmações em 2018.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, o Paraná está combatendo a doença com o envolvimento dos órgãos e secretarias do Governo, por meio do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue, que desenvolve ações em todos os municípios.

“São atividades de orientações sobre as medidas preventivas para a dengue e de remoção técnica dos criadouros do mosquito transmissor da doença. Sabemos que a eliminação dos criadouros é a forma mais eficaz de reduzir os casos de dengue e contamos com a participação da população neste combate. A dengue mata e cerca de 80% dos focos estão nos domicílios”, destacou o secretário.

Ainda segundo o balanço oficial, são 24 municípios em situação de epidemia, dois a mais do que a semana passada: Bandeirantes (região Norte) e Ivaiporã (Vale do Ivaí). Os outros municípios que já haviam atingido este patamar são Braganey, Juranda, Nova Cantu, Peabiru, Quinta do Sol, Douradina, Diamante do Norte, Guairaçá, Inajá, Paraíso do Norte, Paranavaí, Santa Isabel do Ivaí, Tamboara, Ângulo, Colorado, Doutor Camargo, Floraí, Paranacity. Uniflor, Florestópolis, Sertaneja, Guairá.

Outros 27 municípios estão em situação de alertar para a dengue e, juntos, somam 990 casos autóctones, quando a pessoa não contraiu a doença na cidade onde vive.

Apresentam casos de dengue grave, com pacientes em tratamento, Paranaguá, Foz do Iguaçu, Nova Cantu, Quinta do Sol, Cianorte, Colorado, Santa Fé, Florestópolis, Ibiporã, Londrina, Porecatu, Cornélio Procópio e Sertaneja.

As cidades com maior número de casos confirmados são Inajá (577); Nova Cantu (569); Paranavaí (549) e Quinta do Sol (440).

GABINETES DE CRISE 

Nesta quarta-feira (22), o Comitê Intersetorial da Dengue promove videoconferência sobre a instalação e o funcionamento de gabinetes para situação de emergência. Será na sede da secretaria, com transmissão para as 22 Regionais de Saúde Estado, que convidaram prefeitos e representantes de órgãos públicos e da sociedade civil para o encontro. O capitão Romero Nunes Filho, chefe da Divisão de Gestão de Desastres da Defesa Civil estadual, vai abordar o tema, com informações sobre quando e como os municípios devem decretar situação de emergência.

ALCANCE 

A importância do envolvimento da população na eliminação dos criadouros do mosquito da dengue foi um dos temas da palestra do secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, nesta terça-feira (21), na sede do Senac, em Curitiba. Em videoconferência para mais de 30 unidades, cujo alcance foi de cerca de 10 mil pessoas, alunos de cursos técnicos de saúde da entidade e colaboradores receberam orientações sobre os perigos da doença e formas de prevenção.

“Temos que falar com as pessoas em todos os lugares e ocasiões sobre o problema da dengue. É muito importante que a gente consiga eliminar os focos e, por isso, a participação e o engajamento de todos os paranaenses é essencial neste momento”, disse Beto Preto.

O secretário ressaltou a missão do Estado de mobilizar todos os setores da sociedade. “Estamos falando de uma doença que podemos prevenir. É na mobilização técnica, de campo, com um olhar diferenciado sobre possíveis focos. Precisamos esmiuçar qualquer local onde pode ter água parada”, ressaltou.

TRABALHO DE CAMPO
Além de chamar a atenção sobre o preocupante cenário de epidemia em 24 municípios paranaenses, Beto Preto destacou ainda os mutirões em localidades mais críticas têm ajudado a diminuir os índices de infestação. “Temos atuado fortemente, com equipes do Estado, dos municípios, e isso tem reduzido os focos em algumas cidades. Temos que continuar com os arrastões, porque somente assim teremos resultados positivos nesta verdadeira guerra”, afirmou.

As características e hábitos do mosquito da dengue também foram apresentados no encontro, como a capacidade de autonomia de deslocamento de até cinco quilômetros, a possibilidade de reprodução em água suja e voo em silêncio. “O mosquito tem um jeito muito próprio e por isso mesmo temos que saber exatamente como ele se comporta. Inclusive é resiste a produtos químicos. Por isso, a melhor forma de combate é a eliminação de criadouros”, ressaltou a coordenadora de Vigilância Ambiental da Secretaria de Estado da Saúde, Ivana Belmonte.

Continue lendo

Ponta Grossa

Placas de veículos de Ponta Grossa estão entre as mais caras do PR, segundo Procon

Alô Paraná

Publicados

em


O Procon de Ponta Grossa realizou um levantamento no qual mostra que o custo para a aquisição dos novos modelos de placas de veículo padrão Mercosul no município, figura entre os mais caros do Paraná. Apenas um único fornecedor de Curitiba cobra mais caro.

De acordo com Leonardo Werlang, coordenador do Procon, a pesquisa de preço mostrou que o valor cobrado no município é acima dos praticados em cidades como Guarapuava, Londrina, Maringá e Foz do Iguaçu. “No comparativo, é possível ver que em cidades próximas, como Guarapuava, o custo pode chegar a quase 50% do cobrado em Ponta Grossa. Por se tratar da Placa de Identificação Veicular (PIV), infelizmente o consumidor não tem a opção de buscar pelo município em que o preço esteja mais atrativo”, avalia o coordenador.

Para placas de carros com o modelo do Mercosul, a média do valor no estado é de R$ 172,89. Em Ponta Grossa, os valores variam entre R$ 190 e R$ 230, podendo ficar até 30% acima.

No caso das motos, os valores variam de R$ 100 a R$ 130, mais de 35% maior que a média no estado de R$ 96,05. Dentre os fornecedores pesquisados, um único fornecedor de Curitiba fica à frente de Ponta Grossa, com a placa do Mercosul para carro sendo vendida a R$ 250.

Nova placa

Após sucessivos adiamentos, começa a valer a partir do dia 31 de janeiro a obrigatoriedade de uso da placa do Mercosul em todos os estados do país. O prazo atende ao estipulado na Resolução nº 780/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), de julho do ano passado, que determina que as unidades federativas do país devem utilizar o novo padrão de placas de Identificação Veicular (PIV).

Desde a decisão pela adoção da placa do Mercosul, a implantação do registro foi adiada seis vezes. A adoção do sistema de placas do Mercosul foi anunciada em 2014 e, inicialmente, deveria ter entrado em vigor em janeiro de 2016. Em razão de disputas judiciais a implantação ficou para 2017 e depois, adiada mais uma vez para que os órgãos estaduais de trânsito pudessem se adaptar ao novo modelo e credenciar as fabricantes das placas.

As novas placas já são utilizadas na Argentina e no Uruguai. A previsão é que em breve comecem a valer também no Paraguai e na Venezuela.

Dos 26 estados brasileiros, já aderiram à nova PIV Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Paraíba, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Rondônia.

Obrigatoriedade

A nova placa será obrigatória apenas nos casos de primeiro emplacamento e, para quem tiver a placa antiga, no caso de mudança de município ou unidade federativa; roubo, furto, dano ou extravio da placa, e nos casos em que haja necessidade de instalação da segunda placa traseira.

A nova placa apresenta o padrão com quatro letras e três números, o inverso do modelo atualmente adotado no país com três letras e quatro números. Também muda a cor de fundo, que passará a ser totalmente branca. A mudança também vai ocorrer na cor da fonte para diferenciar o tipo de veículo: preta para veículos de passeio, vermelha para veículos comerciais, azul para carros oficiais, verde para veículos em teste, dourado para os automóveis diplomáticos e prateado para os veículos de colecionadores.

Todas as placas deverão ter ainda um código de barras dinâmico do tipo Quick Response Code (QR Code) contendo números de série e acesso às informações do banco de dados do fabricante e estampador da placa. O objetivo é controlar a produção, logística, estampagem e instalação das placas nos respectivos veículos, além da verificação de autenticidade.

Continue lendo

EM ALTA