Conecte-se conosco

Brasil

Bandeira tarifária das contas de luz em junho será verde

Alô Paraná

Publicado:

em

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou hoje (31) que a bandeira tarifária para junho de 2019 será a verde, sem cobrança extra nas contas de luz. Em maio, foi acionada a bandeira amarela, com acréscimo de R$ 1 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

A Aneel disse que, embora junho seja um mês típico da estação seca nas principais bacias hidrográficas do país, “a previsão hidrológica para o mês superou as expectativas, indicando tendência de vazões acima da média histórica para o período” e que, por isso, o cenário foi favorável para a retirada da cobrança extra nas contas de luz.

O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico e o preço da energia. Segundo a agência, o cenário favorável reduziu o preço da energia para o seu patamar mínimo, o que “diminui os custos relacionados ao risco hidrológico e à geração de energia de fontes termelétricas”, possibilitando a manutenção dos níveis dos principais reservatórios próximos à referência atual.

Sistema

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias possui três cores: verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) que indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

No dia 21 de maio, a Aneel aprovou um reajuste no valor das bandeiras tarifárias. Com os novos valores, caso haja o acionamento da bandeira amarela, o acréscimo cobrado na conta passou de R$ 1 para R$ 1,50 a cada 100 kWh consumidos. Já a bandeira vermelha patamar 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh e no patamar 2, passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos. A bandeira verde não tem cobrança extra.

Os recursos pagos pelos consumidores vão para uma conta específica e depois são repassados às distribuidoras de energia para compensar o custo extra da produção de energia em períodos de seca.

De acordo com a agência reguladora, o reajuste no valor das bandeiras foi motivado pelo déficit hídrico do ano passado, que reposicionou a escala de valores das bandeiras. A agência disse que foi incorporada uma nova regra de acionamento que atualiza o perfil do risco hidrológico.

Com a nova regra, segundo a agência, o risco higrológico passa a refletir exclusivamente a distribuição uniforme da energia contratada nos meses do ano. “O efeito do GSF [sigla do inglês para risco hidrológico] a ser percebido pelos consumidores retratará com maior precisão a produção da energia hidrelétrica e a conjuntura energética do sistema”, disse a agência.

A Aneel disse ainda que a medida evitará que a conta da bandeira tarifária fique deficitária em 2019. Em 2018 o déficit foi de cerca de R$ 500 milhões.

Economia

Rendimento médio cai no Paraná no 2º trimestre, diz IBGE

Alô Paraná

Publicados

em


Na passagem do primeiro trimestre para o segundo trimestre do ano, o rendimento médio dos trabalhadores ocupados recuou significativamente no Paraná (queda de 4,3%, para R$ 2.488) e Distrito Federal (recuo de 4,7%, para R$ 3.945).

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na média nacional, o rendimento médio real de todos os trabalhos foi estimado em R$ 2.290, uma queda em relação ao trimestre imediatamente anterior (quando estava em R$ 2.321) e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (quando foi de R$ 2 295).

Em relação ao segundo trimestre de 2018, não houve variação estatisticamente significativa do rendimento médio real em nenhuma unidade da federação, afirmou o IBGE.

Continue lendo

Educação

Inscrições para o processo seletivo do Colégio da PM estão abertas

Alô Paraná

Publicados

em


O Colégio da Polícia Militar (CPM) está com inscrições abertas para o teste classificatório 2020. São 120 vagas do 6º ano do Ensino Fundamental e 90 vagas do 1º ano do Ensino Médio. As inscrições seguem até 09 de outubro e devem ser feitas pelo site cpmpr.com.br/. A taxa de é R$ 95,00. É possível solicitar a isenção mediante comprovação de situação econômica por meio de cadastro em programas sociais governamentais.

Das 120 vagas para o 6º ano do Ensino Fundamental, 72 são destinadas a filhos de militares estaduais e o restante para civis. Para o 1º ano do Ensino Médio serão 90 vagas, 54 delas preferenciais e 36 complementares. A previsão para a aplicação das provas é dia10 de novembro para o 1º ano do Ensino Médio e 24 de novembro para o 6º ano do Ensino Fundamental.

HISTÓRIA – O Colégio da Polícia Militar do Paraná foi criado pelo decreto nº 24.826, de 07 de agosto de 1959, tendo seu primeiro ano letivo em 1960. Somente em 1977 passou a funcionar como escola de 1º e 2º graus e em 04 de agosto de 1981 a denominar-se Cel PM Felippe de Sousa Miranda, em homenagem ao seu primeiro comandante.

O objetivo inicial do colégio era criar a oportunidade do jovem cidadão de conhecer a filosofia militar. Com isto, passou a desempenhar um papel importante na corporação e se tornou reconhecido em todo o país pelo ótimo desempenho de seus alunos em provas como Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e no vestibular da Universidade Federal do Paraná (UFPR), entre outros.

Continue lendo

Sul

Inaugurado trecho de duplicação da BR-116, em Pelotas

Alô Paraná

Publicados

em


O governo federal inaugurou hoje (12) um trecho de 47 quilômetros de duplicação da BR-116, em Pelotas, no Rio Grande do Sul. De acordo com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, a obra está dentro da estratégia de integração regional sul-americana. O objetivo é aumentar a capacidade de veículos, principalmente de caminhões, além de prevenir acidentes.

“[Da BR-116] vão derivar outras rodovias e circular riquezas, mas sobretudo essa obra vai salvar vidas”, disse o ministro. “É possível melhorar a segurança no trânsito por meio da engenharia”, completou.

Freitas destacou que o projeto de duplicação da rodovia é de 2002, que a licitação foi concluída em 2011, mas as obras só começaram em 2017 e nada havia sido entregue até então. Após a liberação dos primeiros 47 quilômetros, o ritmo vai ser mantido, segundo o ministro.

A BR-116 é a principal via de acesso ao sul do estado e ao Porto de Rio Grande, corredor de escoamento de produtos agrícolas e industriais entre o Brasil e o Mercosul. Os cerca de 230 quilômetros entre Porto Alegre e Pelotas estão sendo duplicados e devem ser finalizados até o fim de 2021, com investimento total de R$ 1,6 bilhão.

O presidente Jair Bolsonaro participou da cerimônia de liberação do primeiro trecho e disse que seu governo está “fazendo de tudo para que obras paradas sejam concluídas”. Ele garantiu mais R$ 100 milhões de orçamento para que mais um trecho, de 55 quilômetros, da BR-116 seja concluído em breve.

Após a cerimônia, a comitiva presidencial também deve visitar o canteiro de obras da rodovia e sobrevoar a nova ponte do Lago Guaíba, em Porto Alegre, prevista para ser concluída no primeiro semestre de 2020.

Continue lendo

EM ALTA