Conecte-se conosco

Futebol

Athletico-PR confirma doping de Thiago Heleno e Camacho, mas exime ambos de culpa

Alô Paraná

Publicado:

em

Mario Celso Petraglia

O presidente do Conselho Deliberativo do Athletico-PR, Mario Celso Petraglia, confirmou em coletiva realizada na Arena da Baixada, nesta segunda-feira, que os jogadores Thiago Heleno e Camacho ingeriram uma substância proibida e foram reprovados em exames antidoping realizados após partidas desta edição da Copa Libertadores.

O dirigente, porém, fez questão de eximir os atletas de culpa neste caso e ressaltou que ambos foram “absolutamente vítimas” ao consumirem a substância chamada de higenamine, detectada no controle antidoping realizado pelo defensor e pelo volante. E que estava presente em suplementos que contribuem para perda de peso. 

Estes suplementos foram indicados por um profissional do próprio Athletico-PR, que, segundo Petraglia, garantiu que a utilização dos mesmos não oferecia nenhum risco aos dois jogadores. “Fomos surpreendidos por uma falha interna de profissionais do clube, nós abrimos uma sindicância, um processo administrativo interno, para buscarmos todas as informações do ocorrido”, revelou.

Depois, o dirigente disse que este mesmo suplemento que continha a substância proibida pelo controle de dopagem da Conmebol foi colocado à disposição de vários atletas, mas ele reconheceu que, “felizmente, só dois (Thiago Heleno e Camacho) tomaram”. “Os demais nos garantiram que não tomaram. Ficamos, de uma forma, tranquilos por isso”, disse.

E Petraglia fez questão de ressaltar que o Athletico-PR vai se responsabilizar por este caso de doping envolvendo os dois jogadores. “Nosso objetivo básico, fundamental e determinante, é assumirmos a culpa como instituição e a responsabilidade da ocorrência. E buscamos de todas as formas a isenção dos atletas. Eles foram absolutamente vítimas. Lamentavelmente, a legislação nos obriga e penaliza em função de eles terem ingerido um produto que está listado como impeditivo, que não deveriam ter tomado”, afirmou, se referindo ao fato de que os atletas inevitavelmente sofrerão punições que ainda serão aplicadas pela Conmebol.

O clube também não informou o nome do profissional ou dos profissionais que acabaram cometendo erros neste processo que levou ao doping de Thiago Heleno e Camacho. A Conmebol ainda não se pronunciou oficialmente sobre este caso, mas a comissão antidoping da entidade notificou na semana passada sobre o caso do zagueiro. O clube, porém, ainda não foi avisado pelo órgão sul-americano sobre a situação de Camacho, embora já saiba que o atleta foi reprovado no antidoping.

Ainda não há data marcada para o julgamento do caso e o Athletico ainda espera pela resultado da contraprova dos exames. E Petraglia assegurou que não existe o risco de o time paranaense ser punido na Libertadores por causa deste episódio. “Nenhuma possibilidade, é zero possibilidade. Felizmente para o clube, que é o responsável, e mais pela torcida, que não poderia pagar esse preço, de o clube ser penalizado, por falhas internas, mas essa possibilidade está afastada”, garantiu.

O zagueiro Thiago Heleno foi flagrado no exame antidoping após a partida contra o Tolima, no dia 9 de abril, pela quarta rodada do Grupo G, e o volante Camacho depois do jogo contra o Jorge Wilstermann, no dia 24 de abril, pela quinta rodada. O defensor já foi suspenso preventivamente pela entidade e Camacho ainda aguarda contraprova.

Thiago Heleno já desfalcou o time nos últimos dois jogos da fase de grupos da Libertadores, diante do Wilstermann, na Bolívia, e Boca Juniors, na Bombonera, após a notificação. 

E Petraglia revelou nesta segunda-feira que o suplemento consumido pelos dois atletas foi um produto elaborado e manipulado em uma farmácia. “Eles (jogadores do Athletico) sabem muito bem que não se toma este tipo de medicamento. Felizmente, vários não aceitaram a indicação e não tomaram”, disse o dirigente.

Substância proibida detectada nos exames de Thiago Heleno e Camacho, a higenamine é um termogênico que serve para acelerar o metabolismo. E o fato de o clube ter provocado de forma acidental estes casos de doping ao deixar que os atletas consumissem um suplemento com esta substância foi qualificado nesta segunda-feira por Petraglia como “um dos piores momentos vividos nestas duas décadas” em que ele está no clube. 

“A preocupação de não expormos os nossos atletas faz parte da nossa cultura. Já tivemos alguns casos na nossa história, mas nenhum como este”, enfatizou o dirigente, que também prometeu: “O clube dará todas as condições possíveis, imagináveis e disponíveis. Não existe reparação. É uma morte, entre aspas. Como se conserta isso? Vamos atenuar, deixarmos com menos dor. É da vida. Não tem preço. Faremos tudo, mas será pouco”, reconheceu.

Assista a coletiva com Mario Celso Petraglia na integra:

Publicidade
Clique e comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Futebol

Operário empata com São Paulo na estreia da Copa SP

Alô Paraná

Publicados

em


O Operário Ferroviário estreou na tarde deste sábado (4), com empate sem gols diante do São Paulo, atual campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior. O jogo foi no estádio Primeiro de Maio, em São Bernanrdo do Campo, pela primeira rodada da fase de grupos da edição 2020.

O time paulista esteve longe de apresentar um bom futebol. Sem repertório, ainda chegou a levar alguns sustos do time de Ponta Grossa (PR). São Paulo e Operário somaram o primeiro ponto no Grupo 29, que também conta com EC São Bernardo e Palmeiras-RN.

O primeiro tempo não teve muitos lances de perigo. O São Paulo bem que tentou ficar com a bola, mas esbarrou na forte marcação adversária. Já o Operário, muito bem armado, criou a melhor oportunidade aos 36 minutos, quando Gabriel Vieira pedalou para cima de Anílson e chutou cruzado para ótima defesa do goleiro Matheus Cunha.

Na etapa final, o time do Morumbi aumentou as investidas, mas sem sucesso. Antes do apito final, aos 38, Sena perdeu ótima oportunidade em bola que sobrou na entrada da pequena área. O placar sem gols motivou vaias da torcida presentes nas arquibancadas do Primeiro de Maio.

Confira os resultados deste sábado:

8h45 – Nacional-SP 1 x 3 São Caetano

11h – Água Santa-SP 0 x 0 Trem-AP

Ceará 2 x 1 Canaã-BA

16h – São Paulo 0 x 0 Operário-PR

Continue lendo

Futebol

Ponte Preta oficializa contratação de dupla do Operário para 2020

Alô Paraná

Publicados

em


Foto: José Tramontin/OFEC

A Ponte Preta oficializou, na manhã desta quinta-feira, a contratação do zagueiro Alisson e do volante Índio, ambos ex-Operário-PR, para a disputa do Campeonato Paulista de 2020.

A dupla, já com pré-contrato assinado com a equipe campineira, e chegará ao Moisés Lucarelli em 3 de janeiro, data do início da pré-temporada, para integrar o elenco do técnico Gilson Kleina.

Os jogadores, logo no primeiro dia em Campinas, serão submetidos a exames clínicos e físicos. Em caso de aprovação, assinam vínculo em definitivo com o clube campineiro – Alisson até dezembro de 2020, enquanto Índio deve firmar contrato até dezembro de 2021.

Os dois são os primeiros reforços confirmados pela diretoria na montagem do grupo da próxima temporada. A tendência é de novidade nos próximos dias. O lateral-direito Apodi e os atacantes Alisson Safira, João Paulo e Zé Roberto também estão em pauta.

QUEM SÃO ELES? – Como titular, Alisson defendeu o Operário por quatro anos e faturou quatro títulos, sendo os mais marcantes a Série D (2017) e a Série C (2018). Ao todo, disputou 99 partidas pelo clube paranaense. Índio, por sua vez, esteve no Germano Kruger por três anos, também como titular, e participou dos dois últimos acessos nacionais do clube.

Continue lendo

Futebol

Guarani vence Operário-PR com jogador a menos e encaminha permanência na Série B

Alô Paraná

Publicados

em


O Guarani atuou por mais de 30 minutos com um jogador a menos, durante o segundo tempo do duelo deste sábado contra o Operário-PR, mas conseguiu conter o adversário e venceu por 1 a 0, no estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, pela 36.ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Diego Cardoso marcou, de pênalti, o único gol da partida e Marcelo foi expulso aos 14 minutos da etapa final.

O resultado leva o time campineiro ao 11.º lugar, com 44 pontos, e encaminha a permanência na segunda divisão nacional, além de garantir a ultrapassagem sobre a rival Ponte Preta, que tem a mesma pontuação, mas perde por 12 a 10 no número de vitórias.

O curioso é que esta foi a oitava vitória do Guarani sob o comando do técnico Thiago Carpini com o mesmo placar: 1 a 0. Do outro lado, o Operário-PR, já sem pretensões, fica em nono lugar com 49 pontos.

O jogo começou em ritmo bastante acelerado, muito em razão da postura ofensiva adotada pelo Operário-PR nos momentos iniciais, o que surpreendeu o adversário. Índio e Rafael Chorão tiveram boas chances em pouco menos de cinco minutos de bola rolando. Apesar da surpresa, o Guarani não recuou e também foi para cima

A partida ficou aberta e oportunidades foram criadas para ambos os lados. Nas melhores, Rodrigo Viana salvou o lado paranaense ao evitar gol de Arthur, enquanto que Marcelo teve a chance de balançar a rede do Guarani e parou em Jefferson Paulino. Tudo isso aconteceu em menos de 15 minutos e logo o ritmo caiu.

Com o jogo menos movimentado, foi preciso um pênalti para tirar o zero do placar. Aos 32 minutos, o árbitro apitou ao ver falta de André Luiz – que entrou no gol após Rodrigo Viana se machucar – em Rondinelly e marcou a penalidade a favor do Guarani. Diego Cardoso converteu aos 33.

O início do segundo tempo não seguiu os moldes do primeiro e não teve grandes emoções. O Guarani entrou em campo mais recuado, na expectativa de encaixar um contra-ataque. O cenário se complicou para os donos da casa aos 14 minutos, quando Marcelo solou Maílton e foi expulso.

A partir daí, o Operário-PR se lançou ao ataque. Quatro minutos depois da expulsão, Jefferson Paulino fez grande defesa para evitar o gol após cobrança de falta de Maílton. Depois de uma ou outra investida, o time paranaense passou a ter dificuldades para encontrar espaços na defesa campineira, bem posicionada apesar da desvantagem numérica.

Agora os dois times se preparam para a disputa da 37.ª e penúltima rodada da Série B. O Operário-PR recebe o Vitória no estádio German Krüger, em Ponta Grossa (PR), às 21h30 desta terça-feira, e o Guarani joga novamente no Brinco de Ouro, desta vez contra o América-MG, a partir das 21h30 da próxima sexta.

FICHA TÉCNICA

GUARANI 1 x 0 OPERÁRIO-PR

GUARANI – Jefferson Paulino; Lenon, Bruno Silva, Luiz Gustavo e Thallyson; Marcelo, Rondinelly (Ricardinho), Arthur e Lucas Crispim; Diego Cardoso (Nando) e Davó (Deivid). Técnico: Thiago Carpini.

OPERÁRIO-PR – Rodrigo Viana (André Luiz); Maílton (Eduardo), Alisson, Rodrigo e Allan Vieira; Jardel, Índio (Felipe Alves), Marcelo e Rafael Chorão; Felipe Augusto e Lucas Batatinha. Técnico: Gerson Gusmão.

GOL – Diego Cardoso (pênalti), aos 33 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS – Arthur e Lenon (Guarani); Jardel, Lucas Batatinha, Rafael Chorão e Rodrigo (Operário-PR).

CARTÃO VERMELHO – Marcelo (Guarani).

ÁRBITRO – Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ).

RENDA – R$ 33.790,00.

PÚBLICO – 2.961 torcedores.

LOCAL – Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP).

Continue lendo

EM ALTA